05 dezembro, 2012

O tempo voa e você cria asas


Bento, meu amor, você completará três anos esta semana.
Três anos já se passaram desde aquele dia na maternidade, quando Mamãe Marcelle entrou lá com você já grandão dentro da barriga dela. Mas você queria crescer ainda mais e era chegada a hora de sair. Então tia Rebecca e tio Cocão entraram numa sala com a sua mãe, deram uma injeção para ela não sentir dor nenhuma e então abriram a barriga dela com uma faca beeeeem fininha. Eles viram que você estava lá dentro e te puxaram para fora. Depois tia Rebecca ficou costurando beeeeeem direitinho a barriga até ela fechar e você seguiu - chorando bem forte - no braço de tio Nico para tomar banho e encontrar com a gente.
Lá fora, vovó Graça, a bisa, tia Clóris, tio Riva e eu te esperávamos. E você apareceu todo forte e tranquilo para receber nossos primeiros raios de amor e admiração.
Amamos e admiramos o que víamos, um menino cheio de dobras, olhos rasgados e quase sem nariz, com pés e mãos bem grandes, filho de Marcelle, a caçula da casa. O menino que já tinha mudado o desenho da casa e logo logo mudaria a também a nossa rotina.
Naquele dia não sabíamos de nada. A gente só sabia que desejava a você tudo de melhor que a vida pode dar a uma pessoa. Saúde, sorte, amor, bons companheiros. E torcemos muito para que tua alma carregasse doses extras de bondade e sabedoria, que você crescesse e se tornasse um menino feliz, depois um homem justo, leal, responsável, bom.
Naquele dia só havia o presente e a gente só podia agradecer pela tua chegada, que veio mudar tão profundamente cada um de nós que estávamos ali no dia 7 de dezembro de 2009.


Hoje, quase três anos depois, você vem nos mostrando que se tornou muito mais do que a gente esperava.
Você é inteligente, esperto, bem humorado, adora ajudar, conversar, dançar. Tem um gênio, que só Deus sabe! Mas também é sensível e humano. E se muitas vezes se acha um anti-heroi capaz de bater nas velhinhas (e logo depois receber uma superbronca e ficar de castigo), também adora ficar juntinho delas enquanto voinha te conta histórias e tia Clóris se joga contigo numa partida de futebol no jardim.
Você é amoroso e decidiu que tem dois pais, David e tio Riva, de quem você copia tudo instintivamente, até o jeito de sorrir e andar. E tem  três mães. Mamãe Marcelle, Mamãe Titia Mack e Mamãe vovó. E chama a todas de mainha. Consegue o que quer jogando charme e manha de um lado para o outro.
Só gosta de dormir com Mamãe vovó, de almoçar com Mamãe Mack, de jantar com Mamãe Marcelle. E gosta de várias outras coisas com qualquer uma das três. Teatro no topo da lista, seguido de balanço, praia, livros, piscina, handball, cambalhotas e DVDs.
Você já curtiu Patati Patatá, mas ainda não abandonou a Galinha Pintadinha nem o Mickey. No momento tem certeza que tem os poderes do Homem-de-Ferro, mas soma a eles uma espada que acende e um arco e flecha - que nós achamos ser um cabide azul. Ainda não decidiu se torce pelo Sport ou pelo Santa e adora cantar a música do Timbu coroado que a bisa ensinou. Adora samba, conhece vários ritmos musicais e mexe em vários instrumentos, mas também não decidiu de qual gosta mais.


É como um caderno novo, doido para ser escrito, onde se escolhe com cuidado cada palavrinha colocada. Nós tentamos te ajudar a escrever um pouquinho deste livro todo dia e acho que está ficando muito bom.
Você é incrível, meu amor! Cheio de energia, alegria, charme.
Você encanta ao primeiro olhar e nos seguintes, apaixona. O mundo te ama e te admira, do mesmo jeitinho que a gente amou e admirou quando te viu pela primeira vez.
E o melhor de tudo é que esta vida está só começando e eu quero viver muito muito para acompanhar teus passos e me orgulhar cada dia mais do homem bom que você é.
Feliz vida para você, Bento, o mais querido das nossas vidas.

04 dezembro, 2012

Isso é chocolate


Da série Bentolices.
- Mamãe (sim, essa sou eu, titia), o que é isso na tua boca?
- Chiclete.
- É azedo?
- Não, é doce. Mas eu jogo fora logo que o gosto acaba.
- O que é gosto?
- Gosto, filho, é aquilo que você sente na língua quando coloca qualquer coisa na boca. - e ele começa a abrir um sorriso como quem já está captando a ideia - Tá ligado, quando tu coloca uma comida gostosa na boca, aí sente aquela coisa boa se espalhar pela boca todinha e tu acha aquilo uma delícia?
- Ah, mãe, isso é chocolate!

* Só enchendo de cheiro, mesmo...

30 novembro, 2012

Conversando com Deus



Já eram seis da tarde e nós ainda estávamos brincando no jardim quando voinha chamou a atenção de Bento.
- Escuta, Bento! Escuta! Lá longe, o sino tocando.
Ele para o futebol, olha longe no céu e me pergunta:
- O que é sino?
- Sino, é um instrumento lá da igreja que avisa as pessoas que a missa já vai começar.
- O que é missa?
- Missa é um lugar onde muita gente vai para rezar, agradecer a Papai do céu por tudo que tem na vida.
Ele sinalizou que entendeu e eu continuei.
- Mas a gente pode agradecer daqui, sem ir até a igreja. Tu quer?
Ele fez que sim.
- Então, tu vai agradecer pelo quê?
- Eu vou agradecer a Papai do céu para ele não fazer mais isso com mim... espirrar...

Claro que deu dó do bichinho, que já tinha espirrado e tossido o dia todo por causa de uma gripe. Dei logo um super aperto nele e disse que tenho certeza que Papai do céu vai pensar com carinho no pedido. 
Não pude deixar de lembrar de mim, que cheguei a escrever uma carta para Papai Noel pedindo um nariz novo, já que o meu não me servia muito bem. Nunca fui atendida. 

Pensando sobre isso agora, Bento talvez tenha uma chance. Pelo menos soube pedir ao Papai certo.

03 novembro, 2012

Cinema mudo

O cartaz do filme recebeu uma corzinha

Sábado é dia de Bento. Riva e eu resgatamos ele no shopping e levamos para um passeio que ele ama, almoço no Paço Alfândega, sorvete na sobremesa e depois uma volta na Livraria Cultura. Como este fim de semana está rolando o VIII Festival de Circo do Brasil, o auditório da Cultura acabou incluído na programação e apresentou um filme que tem a cara do tema. O Circo, estrelado por Chaplin, de 1928. Um clássico do cinema mudo e claro, todo em preto e branco.
No começo até achei que Bento iria pedir para sair antes, que nada! Tal como nós deu altas risadas e o que não entendeu perguntou "O que foi, hein?" Eu explicava, a cena seguia. Mas não é para menos. Chaplin é grande, imenso em talento, carisma, desenvoltura. Chaplin é rei. Vê-lo atuar é sempre uma felicidade e deixa aquele gostinho de quero mais. Quero mais filmes bons, sem enredos mirabolantes, sem precisar de efeitos ou grandes tramas. A boa história + o bom ator. Elementos às vezes esquecidos na nova cartilha das telonas.
E hoje, um filme inocente produzido na década de 1920, quando essa arte ainda engatinhava, nos deu boas risadas e uma leveza na alma. Chaplin iluminou nosso fim de semana e Bento saiu da sala dizendo "Quero ver de novo, tá?"
Vai ver, meu amor. Tenho certeza que vai...

Um cara liso vai fazer teste para trabalhar no circo 
e encontra na triste bailarina uma grande amiga

Ele é muito desastrado e depois de contratado está sempre arrumando confusões no circo, 
como essa, quando ficou preso na jaula do leão

Para chamar a atenção da bailarina 
ele foi capaz até de fazer o número do equilibrista

Mas é claro que com ele tudo complica e os macacos 
resolvem participar do número, o que deixou tudo ainda mais difícil...

A negociação


Sei que parece cedo...
Muita gente diz para eu não me importar com isso agora, que Bento ainda é um bebê, que é maldade minha querer tirar dele esse dengo, esse prazer... mas, fazer o quê? Eu gostaria muuuuuiiitoooo que ele largasse a mamadeira o quanto antes possível.
Talvez seja o medo de acontecer com ele o mesmo que comigo, uma referência vergonhosa no assunto. Na verdade não conheço ninguém que tenha chegado tão longe no uso de uma mamadeira. Só a larguei aos nove anos. Nove! E depois que precisei beber o leite no copo e senti o cheiro terrível que ele tem, nunca mais  bebi. Até hoje enjoo se alguém estiver manuseando o bendito leite. Tenho horror ao cheiro, ao sabor...
Queria que Bento se acostumasse a beber leite no copo desde cedo e tomasse gosto pelo hábito. Seria ótimo para ele. Então iniciei uma campanha descarada contra as mamadeiras. Venho conversando um pouquinho todo dia, comprando copinhos para substituir e até prometi que ele ganharia uma bicicleta no aniversário de 3 anos, mas só se ele fosse mesmo um menino forte e corajoso que já pode andar de bicicleta.

- Eu sou forte. - disse mostrando o braço cheio de dobras.
- Estou vendo que você é forte. E corajoso, será que é?
- Eu sou corajoso! - esse foi pronunciado com solenidade e movimentos de super heroi.
- Muito muito?
- Muito muito. E sou forte e já estou quaaase g(r)ande.
- Mas eu quero saber se tu tem coragem de fazer uma coisa beeeeeeemmmm difícil.
- Eu tenho - ele garantiu.
- Então eu quero ver se no dia que a tua bicicleta chegar tu tem coragem de pegar aquela panela cheia de mamadeira e jogar ela ali no lixo. - e apontei para o destino final das coitadinhas.
- Ôxe! Jogar uma panela cheinha de mamadeira no LIXO?! - e arregalou os olhinhos de um jeito lindo antes de continuar. - Mas isso não se faz! Que história é essa?

A risada foi geral. Tudo bem, peguei pesado e acho que ele está certo. Isso não se faz. Vou pensar num jeito mais tranquilo de ele abandonar a mamadeira. A bike vem de brinde por ser tão inteligente.

30 outubro, 2012

Estilo praia


- Titia Mack, você me leva à praia? Mas tem que ser aquela praia azul que a gente foi com tio Riva, tá?
A tal praia azul é Boa Viagem. Meu último dia de férias foi brindado com muito sol e resolvi atender ao pedido. Bastaram uma bestinha e um ônibus para a gente chegar lá. Quando ele viu a junção de azuis entre o céu sem nuvens e o mar, começou a dar pulos, comemorando o fato de eu ter acertado a praia.
- É essa, titia! A praia azul é essa!
Mas a euforia ficou por aí, porque quando ele viu a altura das ondas, travou. Pegou os brinquedos, enfiou-se entre a minha cadeira e a de mainha e decidiu que não iria chegar perto da água. Tentamos bastante, mas o nó cego foi grande. 
Nada de curtição no mar por hoje, mas valeu assim mesmo por ter feito um dia massa para ele e mainha.

Quem vai à praia com titia?

17 outubro, 2012

Presentes da Europa

Voltei de viagem.
Foram mais de duas semanas longe do pequeno e morta de saudade. Ele também sentiu falta, mas na hora que me viu ao chegar da escola, pulou no abraço e perguntou "você trouxe meus presentes?".
Sim. Presentes. Vários, e a lista crescia a cada dia da viagem. Um Mickey, carrinhos, bola de futebol, câmera do Mickey, copo do Homem Aranha, calça jeans (ele detesta ter que sair de bermuda), camisetas... mas o mais esperado mesmo era a luva.
Importante lembrar a história da luva. Bento é um velho. Até ele admite. "Filho, por que você insiste em ficar de sapato? Tá calor, coloca uma sandália... " "É porque eu sou um velho, mamãe".
Mas além do sapato, camisa, calças compridas, Bento quer meias, mas meias nas mãos! Ele passa horas brincando com uma meia na mão. Às vezes tira para fazer alguma coisa, mas logo veste novamente.
Então resolvi trazer luvas para facilitar o movimento dos dedos. Ele passou os dias ansioso esperando para usá-las e, finalmente, elas chegaram.
Abaixo o vídeo que ele adora. Vale mais que minha história, a chegada dos presentes.

video

28 setembro, 2012

Carteirinha


A aula de hoje foi sobre os sinais de trânsito.
Segundo a professora, Bento aprendeu bem direitinho o que cada uma das cores representa para o motorista na hora de dirigir.
Na verdade, a primeira aula foi prática. Fomos de ônibus até a cidade e ele perguntava porque o motorista às vezes parava. Expliquei que era por causa da cor do sinal, que tínhamos que respeitar. "No vermelho a gente para. E no verde, filho, o que a gente faz?" A resposta foi óbvia. "No verde a gente dispara".
Aprendeu mesmo.
Tanto, tanto, que hoje ganhou sua primeira Carteira de Motorista, que exibiu com orgulho a tarde inteira.

26 setembro, 2012

Aí você me quebra


Digo com orgulho, sou uma tia presente. Vejo Bento quase todos os dias. De segunda à sexta estou lá para recebê-lo da escola. Almoçamos juntos, conversamos, brincamos um pouquinho, depois preparo o leite, coloco o DVD que ele escolher naquela tarde e só vou trabalhar quando ele está relaxadão, deitado na cama. Me despeço com um até amanhã. Todo dia, tudo sempre igual. Nos fins de semana sempre rola um parque, almoço, Livraria Cultura, shopping. É a hora que ele também tem tio Riva e os irmãos Júlia e Victor.
Ele acostumou tanto que, nos dias em que me atraso para recebê-lo na porta de casa, ele já desce do carro perguntando "Cadê tia Mack?". Mainha tem que dizer que já estou a caminho, senão, a trela começa sem hora para parar e o almoço se transforma num caos.
Mas tia também tira férias e é isso que vou fazer em outubro. Há dias estou preparando ele para a nossa breve separação.
- Tu sabe, né, filho? Semana que vem eu vou com tio Riva no avião lááááá para o outro país, mas a gente volta logo, tá? Vai passar bem rápido e eu já tô de volta para te encher de cheiro e brincar bem muito contigo. - e depois de apertar e beijar bem muito eu continuo - E você fica aqui, na sua casinha...
E ele completa automaticamente:
- Cholando...

Ô, meu Deus... o coração da tia não aguenta a pressão!

Depois de recuperada dei o meu golpe baixo. Pedi para ele não ficar chorando, só pensando em mim com muita alegria que vou voltar com muitos presentinhos... Ele fez a lista (um tubo, um Batman...). Parece que deu certo.


25 setembro, 2012

Rico

Na cadeira do salão de Andreza

Bento até gosta de cortar o cabelo. Claro, não pelo clima de salão de beleza - convenhamos, um salão minúsculo e calorento no centro do Recife não agrada tanto assim - mas por saber que após o corte ele terá uma tarde inteira no Parque 13 de Maio.
De qualquer forma, quando a cabeleireira começa a usar a tesoura ele já fica tenso: "Já terminou? Tá perto de acabar? Tá usando a máquina? Eu não quero a máquina, não, tá?" 
E assim vai o corte inteiro. Na hora que a bendita máquina precisa entrar em ação, é preciso segurar a cabeça, oferecer doces, garantir que o martírio está chegando ao fim. O problema é que o cabelo cresce feito capim, e todo mês é preciso encarar o salão.
Hoje fui conversar com ele sobre o corte, tentar acalmá-lo um pouco para a próxima ida:
- Bento, da próxima vez que eu for cortar o cabelo de tio Riva vou te levar. Eu corto sozinha, com a máquina, lá na minha casa e posso cortar o teu também.
- Com a máquina? Quelo não.
- Mas filho, tu vai ficar com o cabelo igual ao de tio Riva e vai ser ótimo. - e virando para mainha continuei - A gente iria economizar um bocado.
E ele na mesma hora concluiu:
- Eu vou ficar rico!

Risadas geral. Fim de assunto.


14 setembro, 2012

FITO

Teatro é uma paixão na vida de Bento.
Ele ama e faz disso um programa quase religioso.
As pessoas vão à missa aos domingos, ele quer ir ao teatro.
Hoje foi a estreia do FITO - Festival Internacional de Teatro de Objetos, que vem pela segunda vez ao Recife. Ontem fui à abertura oficial com Riva e pelo nível do espetáculo já percebi que seria a praia de Bento. Então, lá fomos nós.
Chegamos cedinho ao Recife Antigo e ele todo animado - nem reclamou de caminhar da Dantas Barreto ao Marco Zero, bom menino. Por sorte, encontramos Gê na porta da sala que eu queria assistir. Ela nos colocou para dentro e vimos junto com Lua e Ivanzinho a peça Zoo Ilógico, do grupo paulista Trucks. Na peça, amigos vão ao zoológico e ele está fechado, então precisam improvisar e criar bichinhos com o material que eles levaram para o piquenique. Altas gargalhadas e muitas descobertas. 
Vale uma observação, Bento ficou encantado por Lua. Ela toda linda, conversou e se jogou com ele antes do espetáculo. Em troca, ele foi o mais gentil dos amigos e até ofereceu a ela o último mentos do pacote! Um gentleman...

O gato, feito de peneira e paninhos.

O perigosíssimo elefante, bacias, regador e estopa formam o bicho capaz de assustar um leão.

Assim que terminou, ele perguntou: "E agora?" "Agora vamos atrás de outro teatro", respondi. Então foi com esta frase que ele saiu da sala. "Vamos pocular outo teato!". No meio do Marco Zero, reencontramos Gê. "Gostou da peça, Bento?" "Gostei. Vamos pocular outo teato". "Agora!"
E lá fomos nós rumo à Cozinha Louca, um espetáculo alemão de Peter Ketturkat. E o imaginável aconteceu: foi ainda melhor que o primeiro. Como o idioma seria um obstáculo, os atores usam apitos para representar a voz dos personagens, todos criados com acessórios de cozinha. Uma história incrível de amizade, coragem e superação. Tudo feito para as crianças, que lotaram a sala. Mainha parecia mais uma delas, de tanto que riu fácil com as piadas. Bento gargalhava e perguntava sobre tudo.

O jacaré feito de espremedor de batatas. 
Na boca do ator, a engenhoca com diferentes apitos.

O trenzinho feito de escovas e madeira.

Já era noite quando saímos. Riva já nos esperava no Café e assim que ele viu o tio já foi dizendo. "Vamos pocular outo teato!". Então fomos, ver uma apresentação bem diferente, Transportes Excepcionais, da companhia francesa Beau Geste, onde uma retroescavadeira dançava ópera com um homem. Bem quietinho, sentou na calçada e assistiu.

Impressiona pela emoção e a força do bailarino diante da máquina.

Noite encerrada no Delta, onde ele já chegou, puxou a cadeira e disse "Quero café não, tá? Quero um leitinho de gagau e uma aveiazinha para colocar no suco". OK. Leite na mão, chegou apagado em casa, depois de um dia do jeito que ele gosta, cheinho de boas histórias.

08 setembro, 2012

Ida ao castelo

Hoje Riva e eu levamos Bento e mainha para conhecer o Instituto Ricardo Brennand. Fomos ver a exposição "As Dores de Botero" e aproveitamos para dar uma volta nos outros espaços. Pensei que ele iria curtir, achar tudo o máximo, que nada! Para Bento, foi só o dia em que ele conheceu um castelo.
Não parou de perguntar onde estava o príncipe, nem se o dragão iria aparecer. Mas até o final do dia nenhum dos dois deu as caras por lá, ou seja, esse foi mais um dia normal, sem grandes emoções. O resultado taí.

Na chegada, a animação estava garantida. 
Até então ele acreditava que iria ver o dono do castelo.

Bento e vovó Graça provando que não têm medo do leão

Encarando mais um animal selvagem, a pantera negra


Já todo dengoso, pedindo colo antes de entrar no museu das armas

Cheio de marra dentro do museu

Mas foi carregado e apagado que ele terminou a visita. 
Isso é para a gente aprender a nunca levar Bento ao museu 
depois de passar a manhã inteira brincando na piscina.

07 setembro, 2012

Marcha soldado

Soldado Bento Costa da Força Aérea se apresentando

"Eu sou da aeronáutica, titia"

Alguém conhece algum soldado mais lindo? Eu não.

06 setembro, 2012

Tempo, tempo, tempo, tempo...


Cheguei ontem à casa de Bento com duas cartelas de Fruittella sabor morango. Ele é uma formiga, adora! Se pudesse, comeria um seguido do outro sem descanso. É preciso organizar a distribuição. Fiz isso. Uma cartela na mão dele, a outra, na estante - onde ele não alcança, com a promessa de que amanhã, depois da escola, ele pode comer.
Hoje voltei lá. Chegou todo animado, vestido de Força Aérea, fez pose para fotos, depois sentamos para brincar e algum tempo depois ele solta a pergunta.

- Tia Mack, hoje já é amanhã?
- Sim... dependendo do ponto de vista, hoje já é amanhã. Por quê?
- Então eu já posso comer aquele bombomzinho que você deixou para mim láááááá em cima?

* Ganhou os bombons e muitos cheiros pela esperteza.

02 setembro, 2012

Praia do Pina


Solzão e tios muito amarelos. É assim que o dia estava quando fomos te buscar para uma prainha.
Você, como bom menino, até brincou um tempão na areia, embaixo do guarda-sol, mas depois quis mesmo foi pular no mar. Também teve muito amendoim e água de coco para completar a farra. Voltamos todos bem vermelhos, exceto você, que vovó Graça encheu de protetor.

26 agosto, 2012

Aula de cavaco



Hoje foi o aniversário de três anos do Clube do Samba, um projeto criado por sua dinda Karynna Spinelli e que é realizado todos os meses no Morro da Conceição. Você já esteve por lá algumas vezes e claro, não perdeu esse que foi especial.


Assim que chegou ao camarote viu uma pessoa afinando um cavaco e correu até ele, pegou o instrumento e tentou tocar. O moço (um tal de Mário Sérgio, do Fundo de Quintal), todo solícito, topou te dar uma aula, mas reconheceu que não é tão fácil ensinar a um canhoto. De qualquer forma, já dá para ver que com um pouquinho de esforço você desenrola esse cavaco, porque a ginga, meu filho, tá no sangue.

Com Marcelle e tia Ká, a dona da festa

19 agosto, 2012

Iguais


Passeio no shopping Tacaruna é programa regular, seja nos fins de semana ou dias úteis.
Desta vez, numa grande coincidência nos encontramos por lá. Mas coincidência mesmo foi o fato de Bento e Riva estarem vestidos iguaizinhos. Claro que registrei o momento.

12 agosto, 2012

Conhecendo o Capibaribe


Hoje fomos todos para um programa bem diferente.
Nós cinco fomos passear de catamarã pelo rio Capibaribe. Um passeio rápido, de uma hora, por baixo das pontes que ligam as áreas do centro do Recife. Uma lembrança que sei, será inesquecível para o pequeno Bento, que amou cada detalhe.


Reconheceu a ponte Duarte Coelho, onde fica o Galo da Madrugada. Viu o mangue pela primeira vez. Descobriu histórias sobre a cidade onde ele mora e que a cada dia aprende amar mais e mais.
Bento é recifense de coração. E gosta do Recife do jeitinho que ele é, com todas as suas virtudes e defeitos.


Mas antes, estripulias no palco montado no bar de onde saem os catamarãs. Minha equipe linda, inteirinha lá. Pense num dia feliz!


26 julho, 2012

Primeira cama


Desde pequeno Bento enjeitou o berço. Não dormiu lá mais do que uma semana a vida inteira. Na verdade, aquele acabou sendo um lugar para guardar roupas e brinquedos. O lugar de dormir sempre foi na cama de casal, apertando o braço de vovó Graça. Assim, ele aprendeu a não acordar de hora em hora e dormir a noite inteirinha. Agora, já grande e seguro, Bento ganhou sua primeira cama, que estreou logo na primeira noite. Um cantinho todo especial que ele adora e além de dormir, pula para lá logo depois de almoço. Pede um gagau e escolhe o filme da tarde. Tem coisa mais gostosa para fazer? Difícil é sair para trabalhar e deixar esse rebolo de 18,7kg todo largado na cama.

16 julho, 2012

Feriado de N. Sra. do Carmo

Hoje é o dia da padroeira do Recife. Nossa Senhora do Carmo. A data é feriado municipal e a gente aproveitou para dar uma voltinha no Paço Alfândega. Desta vez, até Marcelle foi junto. Bento amou a tarde!

Olha que charme na laje do Paço

Senta aqui, senta, titia... Quem resiste?

Esperando o sorvete chegar

"Calamba, duas mães"

Tio Riva, companheiro de beira do rio

25 junho, 2012

São João

O sorriso que consegue tudooooo...

Esquentando para a festa. "Eu quero tchu, eu quero tcha..."

Amores de tia Mack em versão quadriculada

Com João. Bento adora imitar ele.

A festa na laje teve fogos, fogueira e forró (no braço, né?)

Avós postiços, Geninho e Antonieta, os donos do galo madrugador.

No colinho de tia Có, a dona da festa, que Bento aproveitou um bocado.